terça-feira, 15 de julho de 2014

OS AGIOTAS INTERNACIONAIS E A DÍVIDA ARGENTINA segundo Maria Lúcia Fattorelli

IHU On-Line - Quais são as principais contradições em torno da dívida da Argentina e da maneira como a questão está sendo conduzida, já que o país diz ter pago o valor negociado, mas a Justiça americana exige o pagamento integral da dívida?
Maria Lúcia Fattorelli - Existem diversas contradições nesse episódio. Creio que a mais relevante decorre do absurdo evidenciado pela condenação de um país por uma decisão proferida pelo poder judiciário de outro país, ignorando a soberania nacional que cada país possui. Essa contradição revela a ausência de tribunais internacionais independentes e transparentes, que seriam os fóruns legítimos para analisar esse tipo de conflito.
Outra grande contradição é o flagrante privilégio da tendenciosa decisão judicial que pendeu em favor de especuladores que se aproveitaram da crise enfrentada pelaArgentina a partir de 2001, adquiriram títulos da dívida pública daquele país a preços irrisórios, não se apresentaram para efetuar a renegociação realizada em 2005 e ingressaram na Justiça para reivindicar o pagamento do valor nominal integral daqueles títulos, acrescido dos juros incidentes sobre o valor nominal desde a sua emissão. Ou seja, reivindicaram a restituição de algo que nunca emprestaram, uma reivindicação infame e completamente ilegítima. A justiça norte-americana deu ganho de causa a esse grupo de especuladores, transformando carniça podre em filé mignon, referendando a jogada desses especuladores, não por acaso apelidados de “abutres”, e humilhando um país soberano.
Outra contradição está relacionada ao risco de essa decisão da Justiça norte-americana afetar os termos da renegociação feita pela Argentina em 2005, e impor ônus abusivo ao país. Esse risco decorre de cláusulas que regem os títulos de dívida externa argentina. Tais cláusulas estão presentes nas emissões de títulos de dívida externa de diversos países, inclusive o Brasil, pois esses contratos são padronizados por um reduzido grupo de bancos privados internacionais que comandam o Sistema da Dívida. Uma dessas cláusulas tenta impedir que o país emissor dos títulos negocie de forma separada com determinados grupos de credores. É a denominada cláusula “pari passu”, que estabelece que qualquer ganho obtido por um grupo de detentores de títulos tem que ser estendido a todos os demais detentores. Por causa dessa cláusula, os 92% de detentores de títulos que renegociaram a dívida em 2005, com 75% de deságio, poderão reivindicar a diferença. Isso seria um absurdo completo, porque aquela renegociação foi feita com taxas de juros elevadíssimas, vinculadas ao crescimento do PIB argentino, para compensar o deságio. E a grande contradição decorre do fato de que os “abutres” nem participaram daquela negociação.
Enfim, são muitas contradições, e elas não tiveram início em 2001, mas muito antes. Estão presentes em toda a trajetória do processo de endividamento do país.

"Outra contradição está relacionada ao risco de essa decisão da Justiça norte-americana afetar os termos da renegociação feita pela Argentina em 2005, e impor ônus abusivo ao país"

IHU On-Line - Você poderia explicar melhor essa trajetória da dívida argentina que mencionou?
Maria Lúcia Fattorelli - A trajetória da dívida externa argentina é muito parecida com a de diversos países latino-americanos:
- origem em governos ilegítimos (ditaduras militares) em processos não transparentes, sem a devida comprovação da contrapartida da dívida, com suspeitas de que essa foi utilizada para financiar a própria ditadura;
- contratadas, em sua maior parte, com bancos privados internacionais, sujeitas a taxas internacionais de juros (Libor e Prime), que flutuam sob a influência dos próprios bancos privados internacionais que controlam o FED e a Associação de bancos de Londres;
- impactadas fortemente pela brutal elevação unilateral das taxas Libor e Prime, que saltaram de cerca de 5% ao ano para mais de 20% ao ano, provocando a crise de 1981 e a multiplicação da dívida por ela mesma;
- estatização de dívidas privadas, ou seja, transformação de dívidas privadas (de grandes empresas e bancos) em dívidas públicas, a cargo do Banco Central;
- suspeita de prescrição da dívida externa com bancos privados internacionais em 1992 (no Equador esse fato foi comprovado pela auditoria oficial realizada naquele país);
- transformação em títulos negociáveis no mercado, no processo denominado Plano Brady, realizado em 1994 em paraísos fiscais e repleto de ilegalidades;
- emissão continuada de títulos da dívida externa, com a participação dos bancos privados internacionais em todo o processo. Em seguida, tais títulos da dívida externa passaram a ser aceitos como “moeda” na compra de empresas privatizadas na década de 90. 
Todos esses passos aqui resumidos se repetiram em diversos países.
É preciso ressaltar a intervenção do FMI diante da crise provocada pela alta unilateral dos juros a partir do início dos anos 80, marcada pela imposição de planos de ajuste fiscal para que “sobrassem” recursos para pagar a dívida aos bancos privados internacionais. A Argentina chegou a ser elogiada por ter obedecido de forma tão diligente às determinações do Fundo.
Essa contextualização é importante para compreender que a Argentina chegou à crise, em 2001, depois de acatar por anos seguidos as nefastas exigências do FMI que comprometeram a capacidade econômica do país. Além de tudo isso, no caso da Argentina uma decisão judicial inédita considerou ilegal grande parte da dívida pública.
IHU On-Line - Em que aspectos a dívida pode ser considerada ilegal?
Maria Lúcia Fattorelli - A dívida pública da Argentina já foi considerada ilegal pela Justiça daquele país, em 2000, na famosa “Causa Olmos”, assim denominada em homenagem ao jornalista argentino Alejandro Olmos que, em 1982, teve a iniciativa de impetrar ação judicial denunciando a ilegalidade da dívida.
Essa ação judicial levou a uma investigação que se aproxima de uma auditoria em vários aspectos, e foi concluída com uma importante sentença judicial, em junho de 2000, que reconheceu a existência de diversos delitos e irregularidades, além da clara responsabilidade do Fundo Monetário Internacional nas operações.
Por ocasião da elaboração do nosso livro Auditoria Cidadã da Dívida Pública: Experiências e Métodos, o filho do autor da mencionada ação judicial — Alejandro Olmos Gaona — contribuiu com importante relato que elenca uma série de irregularidades apontadas pelos peritos que participaram da investigação determinada pelo poder judiciário naquela ação:

"O setor financeiro deve existir para servir à economia real, e não o contrário"

“As perícias determinaram:
a. Que a dívida externa não tinha justificativa legal, nem administrativa, nem financeira.
b. Os procedimentos utilizados pela autoridade econômica foram discricionários e revelam transgressões, irregularidades, comportamentos e gestões que configuram verdadeiros atos ilícitos.
c. As empresas públicas foram obrigadas a endividar-se, embora não tivessem necessidade de financiamento.
d. Em muitos casos as empresas estatais foram obrigadas a contrair empréstimos com bancos estrangeiros para pagar dívidas com bancos nacionais.
e. Os recursos correspondentes aos empréstimos em dólares tomados pelas empresas estatais iam diretamente para o Banco Central, que lhes entregava pesos (moeda argentina) que se desvalorizavam.
f. Houve malversação de fundos.
g. As reservas internacionais correspondiam a empréstimos do sistema bancário internacional que nunca chegavam ao país e eram aplicados nos mesmos bancos credores a uma taxa inferior, causando perda de enormes somas de dinheiro.
h. A dívida externa fraudulenta das empresas privadas foi assumida pelo Estado em 1982.
i. Os avais a empresas públicas e privadas concedidos pelo Banco Central tiveram que ser pagos por esta instituição, que nunca reclamou das empresas o seu reembolso.”
Constata-se, assim, que além de muitas ilegitimidades, ocorreram também flagrantes ilegalidades no processo de endividamento argentino.
IHU On-Line - Quais as razões de o país ter contraído uma dívida tão alta, considerada “materialmente impagável” por alguns economistas? É possível identificar quais são os mecanismos financeiros que fizeram a dívida da Argentina chegar ao atual patamar?
Maria Lúcia Fattorelli - A maior parte dessa dívida nunca foi contratada; ou seja, grande parte do que está registrado como “dívida” corresponde, na realidade, a diversos mecanismos que já mencionei nas respostas anteriores, sendo que os mais infames correspondem à geração de dívidas sem contrapartida durante a ditadura, a transformação de dívidas privadas em públicas e os processos de salvamento bancário por meio de geração de dívidas públicas.
Nesses processos o dinheiro nunca chega aos cofres públicos, mas o valor é contabilizado como “dívida”. Dívidas sem contrapartida se tornam um ônus insustentável. É por isso que defendemos a realização de completa auditoria do processo de endividamento público.
Processos de endividamento
Temos estudado o processo de endividamento em diversos países, e as evidências se repetem em vários deles. As dívidas são geradas por processos questionáveis, sem transparência, e sem qualquer contrapartida em bens, serviços ou benefícios para a coletividade. Em seguida, são multiplicadas por diversos mecanismos que provocam o seu contínuo crescimento, utilizando-se de juros excessivos, juros sobre juros, taxas diversas, comissões e custos financeiros abusivos; condições viciadas; sucessivos refinanciamentos que provocam o aumento da dívida, entre outras estratégias que provocam a autogeração contínua de novas dívidas. Esse esquema exige constante entrega de recursos para o pagamento de elevados juros, comissões e outros gastos, enquanto o saldo da dívida segue aumentando. A essa utilização do endividamento público às avessas denominamos “Sistema da Dívida”.
As dívidas geradas e multiplicadas dessa forma se tornam impagáveis ao longo dos anos e geram crises periódicas. E quando vem a crise, intervém o FMI, com seus planos de ajuste fiscal e antirreformas, baseadas em cortes de direitos sociais para priorizar o pagamento de dívidas públicas, aprofundando os problemas econômicos do país.
É necessário conhecer que dívidas os povos estão pagando. A AUDITORIA é a ferramenta que nos permite conhecer e documentar este processo.
Equador provou a eficiência da ferramenta de auditoria. Em 2007 o presidente Rafael Correa editou o Decreto 472, mediante o qual criou uma comissão para realizar auditoria da dívida interna e externa equatoriana, nomeando diversos membros nacionais e seis internacionais. Todos os membros internacionais eram vinculados a alguma instituição relacionada ao questionamento do endividamento público, por isso tive a honra de ser uma dessas seis pessoas, representando a Auditoria Cidadã da Dívida. O resultado do trabalho foi impressionante, pois respaldou o ato soberano do presidente, que permitiu a anulação de 70% da dívida externa em títulos (bônus global 2012 e 2030). Os recursos liberados têm sido investidos principalmente em saúde e educação, como mostra o gráfico a seguir, que demonstra a queda dos gastos com a dívida ao mesmo tempo em que retrata o aumento dos investimentos sociais:
 
IHU On-Line - O que a dívida da Argentina revela sobre o funcionamento do mercado financeiro e da ação dos Estados em relação aos recursos nacionais?
Maria Lúcia Fattorelli - O exemplo argentino evidencia o imenso poder do setor financeiro privado no mundo atual; mostra como a corte suprema do país mais rico do mundo pende em defesa de um questionável fundo abrigado em paraíso fiscal, em detrimento de um país.
Em nosso livro Auditoria Cidadã da Dívida Pública: Experiências e Métodos, analisamos brevemente a concentração de poder, controle e propriedade dos negócios mundiais nas mãos do setor financeiro. Essa concentração brutal tem permitido a interferência desse setor em políticas e decisões governamentais estratégicas. Esse poderio financeiro sobre as nações é obtido, principalmente, por intermédio do financiamento de ditaduras ou de campanhas eleitorais “democráticas”, conseguindo, dessa maneira, dominar o poder político e subordiná-lo aos interesses do capital financeiro para, em seguida, alcançar as modificações das estruturas legais em seu favor e de acordo com os seus interesses.
Estamos vivendo a fase aguda do capitalismo financeirizado: a associação dessa brutal concentração de poder com a ausência de regulamentação financeira, exacerbando o domínio do setor financeiro e deixando sem limites a sua atuação.
No Brasil também assistimos esse processo, que inicia com financiamento de campanhas, seguido da adoção de modelo econômico e medidas que favorecem o setor financeiro, principalmente através do Sistema da Dívida. Estamos pagando dívidas ilegais e negando direitos sociais básicos. O Orçamento Geral da União de 2014 destina 42% dos recursos para juros e amortizações de uma dívida que nunca foi auditada, em flagrante violação à Constituição Federal de 1988, que determinou a realização da auditoria da dívida brasileira.

"Atualmente o setor financeiro ocupa uma posição extremamente privilegiada, atuando à vontade, com acesso a paraísos fiscais"

IHU On-Line - Diante deste caso, como deveria ocorrer uma regulamentação do mercado financeiro?
Maria Lúcia Fattorelli - O setor financeiro deve existir para servir à economia real, e não o contrário. Atualmente o setor financeiro ocupa uma posição extremamente privilegiada, atuando à vontade, com acesso a paraísos fiscais, sigilo bancário e uma série de privilégios que protegem tanto as grandes instituições como os fundos abutres.
Algumas medidas já foram debatidas mundialmente, como a taxa Tobin, por exemplo, que prevê a taxação de cada transação financeira, a fim de identificar cada operação. Outras ideias relacionadas à exigência de transparência esbarram no privilégio do sigilo bancário. Há movimentos internacionais que lutam pelo fim dos paraísos fiscais, mas também esbarram no poderio financeiro instalado nas grandes potências.
Aqui na América Latina há um grande debate em andamento desde 2007, em favor de uma Nova Arquitetura Financeira Regional (NAFR), mas aqui no Brasil esse importante debate está muito atrasado.
NAFR, tal como se desenvolve atualmente, se ergue sobre três pilares principais: o Banco do Sul (banco de desenvolvimento), o Fundo Comum de Reservas do Sul (fundo para a estabilidade monetária e taxas de câmbio) e oSistema Único de Compensação Regional de pagamentos (organização comercial).
O objetivo é alcançar uma maior autonomia econômica e financeira para favorecer o desenvolvimento sustentável soberano, em um marco de integração regional [1].
Um dos princípios da NAFR é a construção de um sistema financeiro regional soberano, democrático e transparente, orientado para um novo modelo de desenvolvimento, e que esteja a serviço das pessoas, de forma inclusiva e equitativa. Já foi aprovada pelos parlamentos de cinco países — Argentina, BolíviaEquadorUruguai e Venezuela¬ —, mas ainda necessita de mais adesões.
IHU On-Line - Como a dívida da Argentina tem repercutido entre os diversos Estados? É possível identificar uma posição de algumas nações em relação à situação da Argentina?
Maria Lúcia Fattorelli - O Brasil e outros países da América Latina têm defendido uma solução diplomática para esta questão. Porém, o ideal seria que todos os países se unissem para avançar o processo de implantação de uma Nova Arquitetura Financeira Regional, bem como para realizar auditoria das dívidas, para investigar e trazer à luz como todas as dívidas foram contratadas e por que cresceram, assim como feito pelo Equador. Seria uma grande oportunidade dos governos responderem à altura contra esta humilhação imposta pelo capital financeiro.
IHU On-Line - Qual é a situação econômica da Argentina, considerando o altíssimo valor da sua dívida pública? Qual tem sido o impacto da dívida da Argentina no orçamento federal?
Maria Lúcia Fattorelli - O serviço (juros e principal) da dívida argentina tem tido um peso importante no orçamento público e tem aumentado aceleradamente a cada ano, principalmente devido à aplicação de taxas de juros vinculadas à variação do PIB.
IHU On-Line - A Argentina poderia ter evitado a sua dívida pública na proporção em que está? Como?
Maria Lúcia Fattorelli - Sem dúvida. A partir do respaldo contido na sentença judicial da “Causa Olmos” proferida no ano 2000, poderiam ter prosseguido com os trabalhos, realizado a auditoria da dívida e adotado medidas soberanas, como fez o Equador.
Ainda há tempo, pois os crimes cometidos por esse processo de endividamento ilegal e ilegítimo provocou danos sociais e humanos irreparáveis, que são considerados crimes de ação continuada, e não prescrevem.
NOTAS
[1] LEGEARD, Nathanaël (2011). Nueva arquitectura financiera para el desarrollo en América Latina y Ecuador. Universitas - Revista de Ciencias Sociales y Humanas, UPC, Ecuador, 14, pp 43-71, Enero/Junio. Disponível em:http://universitas.ups.edu.ec/documents/1781427/1792977/02Art14.pdf.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

ESTADO DE ISRAEL, LIXO DO NAZISMO

O Estado de Israel e o Hamas, para variar, estão trocando chumbo de novo: O Hamas dispara seus "peidos de velha" contra Israel e este revida com suas "cabeças de negro". Minto, está mal comparado, o Hamas usa seus "traques de massa" (estalinhos) e Israel seus rojões. Na origem desse conflito três adolescentes de Israel foram assassinados com tiros de pistolas dotadas de silenciadores, e um adolescente palestino foi incinerado, talvez vivo. Os senhores da guerra não têm o menor prurido em sacrificar vidas inocentes para dar início a uma guerra. Não importa também comparar o poder de fogo de Israel com o dos palestinos. Israel detém a bomba atômica, por isso fala grosso. Em tese o Islã precisaria que pelo menos um estado muçulmano também tivesse a bomba para fazer com que Israel falasse manso e negociasse. Esse cenário é tétrico, amplias a corrida armamentista, mas é desejado pelos senhores da guerra.
    O fato básico é que Israel é uma potência militar que ocupa territórios palestinos. Já estudei direito na UFRJ, não conclui o curso, mas me lembro que Dr. Machado Paupério, na época diretor da faculdade, é autor de um livro intitulado 'O Direito de resistência'. Qualquer povo do mundo tem o direito de resistir a um ditador, imagine contra a ocupação de uma potência estrangeira. Mas Israel "quer" (é um Estado muito voluntarioso) que os palestinos, mesmo debaixo do tacão israelense, fiquem com o rabo entre as pernas. Aprenderam isso com os nazistas que ocuparam vários países e não admitiam que os movimentos de resistência matassem militares nazistas. Os nazistas se vingavam matando muitos homens nos países ocupados, o mesmo que faz Israel. Se Israel troca mil prisioneiros palestinos por apenas um soldado israelense, certamente acha natural matar mil palestinos por causa de apenas um israelense morto. 
   
   O que está na origem disso tudo? O povo judeu vivia espalhado pelo mundo desde a diáspora ocorrida antes de Cristo. Pela interpretação religiosa judaica a diáspora foi um castigo divino por conta da rebeldia do povo hebreu para com Deus, mas que quando voltasse  a obedecer ao Senhor este lhes presentearia com uma nação soberana e "senhora do mundo" (qualquer semelhança com as teses dos 'Protocolos' é mera coincidência). No exílio o povo judeu sofreu muito, foi vítima de perseguição (pogroms) em diversos países. Até que com a Segunda Guerra Mundial veio o pior de todos os pogroms, o holocausto que incluía até uma "solução final". E os nazistas deram início a essa barbaridade com a participação do IG Farben um colosso químico-farmacêutico alemão constituído por empresas como Bayer, Basf, Hoescht, Agfa, etc. que forneceu o gás para matar os judeus, antes já havia criado o gás mostarda usado na Primeira Guerra Mundial.
   Terminada a guerra e com a revelação dos campos de extermínio criados pela Alemanha nazista. O movimento sionista que desde o século XIX preconizava a volta do povo judeu à Palestina para lá construir seu "lar nacional", ganhou força, combinado com a consciência européia culpada, foi aprovado pela ONU a criação do Estado de Israel ao lado de um Estado palestino. Uma decisão da ONU movida pelo holocausto, sendo o holocausto uma obra do nazismo posso concluir que a situação que a ONU engendrou é filha do nazismo, é lixo do Terceiro Reich. Israel, ironia da história, é um "presente" que Hitler deixou para a humanidade. Acontece que no território onde ficaria o novo Estado de Israel já havia um povo morando lá, os árabes. A decisão de se criar artificialmente dois estados na palestina foi uma aplicação do método nazista. Tal proposta teria que ser melhor discutida inclusive pela população que morava na Palestina. A Palestina é uma Terra Santa para as três grandes religiões monoteístas. Não devia comportar um estado judeu e nem muçulmano. A proposta de criação de um estado judeu na palestina não foi aceita nem pelo povo que lá vivia nem pelos países árabes, e os sionistas tiveram que entrar em guerra com os palestinos em 1947 e com os árabes em 1948. Árabes e palestinos perderam a guerra e o Estado de Israel  para se estabelecer naquele território teve que expulsar mais de 700 mil palestinos usando métodos terroristas. Hoje esse povo expulso de suas casas são mais de 4 milhões vivendo em guetos de refugiados ou em países vizinhos.
   Israel se estabeleceu no território designado pela ONU, mas na guerra de 1967 ocupou mais territórios que mantém ocupados ou sob controle até hoje. Os palestinos, hoje estão maduros para administrar um estado, mas Israel não aceita a existência de um estado palestino. Israel é um estado artificial que depende de política afirmativa nesse sentido. A Israel interessa o estado de guerra permanente com os palestinos, isso atende os interesses da indústria de armas da qual Israel é teúdo e manteúdo.
   Por outro lado, a manter a filosofia nazicapitalista (o pensamento capitalista enriquecido por contribuições do nazismo) não haverá solução para o conflito israelo-palestino. De nada vai adiantar a criação de um estado palestino dotado de forças armadas, como sói acontecer com um estado que se preze no sistema nazicapitalista. O estado palestino terá que ser um estado sem forças armadas, para tanto Israel também terá que ser um estado sem armas, terá que desmontar seu arsenal atômico e derrubar o novo muro da vergonha da humanidade. As fronteiras terão que ser livres, do jeito que judeus poderão criar colônias nos territórios palestinos, os palestinos poderão estabelecer residência no território israelense. Esse ódio mortal entre palestinos e israelenses é muto semelhante ao ódio racial (não a-toa a ONU disse que sionismo é uma forma de racismo). E a única solução definitiva para esse problema é a proposta do doutor Gilberto Freyre, é que os rapazes israelenses possam se casar com as morenas palestinas, e os rapazes palestinos possam se casar com as ruivas israelenses. Fazer amor em vez da guerra, amor físico, fudelança generalizada. O filho de um israelense com uma palestina não será nem judeu nem palestino.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

SANEAMENTO BÁSICO VERGONHA NACIONAL

No tempo de João Goulart apenas uma em cada três residências no Brasil estava ligada a uma rede de coleta de esgoto. Noventa e cinco por cento (95%) do esgoto produzido pelo povo brasileiro eram lançados 'in natura' nos rios e valas. Os milicos que derrubaram Jango criaram nos anos 70 o Plano Nacional de Saneamento (Planasa), gerido pelo Banco Nacional de Habitação (BNH). São dessa época a Cedae, Sabesp e Compesa. Mas de corrupção em corrupção o problema não foi resolvido e nos dias de hoje em pleno terceiro milênio o problema se agravou. Como apenas 5% dos esgotos eram tratados em 1960 isso significa que 67 milhões de brasileiros jogavam o cocô nos cursos d'água. Atualmente, 37,5% dos esgotos são tratados, mas como somos 201 milhões de pessoas, consequentemente, 126 milhões continuam poluindo as águas dos rios com suas fezes. Apesar disso, no ritmo de hoje, segundo o economista Agostinho Vieira, de quem peguei esses números (Globo de 01/05/14) vamos precisar de mais de trinta ou quarenta anos para chegar perto de algo que possa se chamar de civilização. 
Vejamos agora o custo humanitário dessa brincadeira. No Brasil, mais de 36 milhões de pessoas continuam sem água potável. Por ano são registradas cerca de 350 mil internações provocadas por diarréia, doença tipica da falta de saneamento. São bilhões de reais desperdiçados com saúde pública. Dados do Instituto Trata Brasil dizem que com a universalização dos serviços de água e esgoto a economia com a redução de faltas ao trabalho chegaria a 258 bilhões de reais. A valorização dos imóveis chegaria a 178 bilhões. O custo estimado da universalização do saneamento básico do país é de apenas 320 bilhões de reais. Por que "apenas"? Porque o Brasil paga ao grande esquema de corrupção chamado de DÍVIDA PÚBLICA a BAGATELA DE DUZENTOS BILHÕES POR ANO.
Bastaria dar um calote nos agiotas durante dois anos. Esse esquema de corrupção não passa de um esquema pós moderno de acumulação de capital via desvio de dinheiro público para empresas privadas. Maria Lucia Fattorelli (vide Dívida Cidadã) diz que se for feita uma auditoria em nossa Dívida Pública ela seria reduzida em aproximadamente 70%. E a Constituição manda fazer isso em suas disposições transitórias, mas nem Sarney, nem Collor, nem Itamar, nem FHC, nem Lula, nem Dilma tiveram peito. Dilma tem 'peito' e tem mais um mandato pela frente. Vamos ver.
Por que o Brasil deixa seu povo à míngua, sem água limpa, e rasteja numa condição de colônia exportadora de commodities, e não se desenvolve rumo ao pódio das grandes potências? Por que em vez de usar suas economias para educar o povo para o futuro usa para pagar juros aos agiotas detentores de papeis podres? O economista Adriano Benayon explica. É que os agiotas do capital financeiro, malandramente, escreveram uma frase e inseriram essa frase, de contrabando, na Constituição. É isso mesmo que ele diz: os agiotas introduziram à revelia do Congresso, um dispositivo na Constituição que manda justamente PRIVILEGIAR o pagamento dos juros da dívida. Por isso o governo deixa o povo morrer doente, e até privatiza patrimônio público para poder pagar 200 BILHÕES por ano à oligarquia financeira anglo-americana.
Finalizo com um detalhe tétrico. Os traficantes de açúcar aproveitam nossas 350 mil vítimas de diarreia para fazer propaganda do "soro caseiro" (uma colher de açúcar e uma pitada de sal num copo d'água).

segunda-feira, 2 de junho de 2014

DECRETO 8.243. UM AVANÇO DEMOCRÁTICO HISTÓRICO

DECRETO 8.243 DE 23/05/14. UM AVANÇO DEMOCRÁTICO HISTÓRICO
A presidente Dilma encaminhou ao Congresso o Decreto 8.243 que cria a Política Nacional de Participação Social e o Sistema Nacional de Participação Social.

Esse decreto da Dilma é um tremendo avanço democrático, uma superação da nossa democracia representativa corrompida até o tutano. Abre espaço para que o povo organizado influa nas políticas públicas. Certamente Dilma "fugiu para a frente" empurrada pelas "jornadas de junho de 2013". As hienas da direita formadoras de opinião estão desesperadas. Até o Estadão já escreveu seu editorial reacionário.
Agora a gente (we the people) vai poder barrar esse processo de privatização sub-reptícia (sem licitação) que vem ocorrendo em nosso país onde se entrega a administração de hospitais, universidades públicas,e até o Teatro Municipal, etc. às tais OSs ("organizações sociais") na verdade pequenos grupos de tubarões capitalistas. O povo vai poder fiscalizar o dinheiro público e impedir a corrupção na fonte. A atual situação é completamente hipócrita: A Polícia Federal e o Ministério Público desbaratam quadrilhas, um "inquérito" é montado para inglês ver (na verdade é apenas uma peça de uma "negociação"), os corruptos ficam impunes e como diz a descendente de João Havelange: "O que tinha que ser roubado já foi".

domingo, 18 de maio de 2014

É A EDUCAÇÃO ESTÚPIDO!

É A EDUCAÇÃO, ESTÚPIDO !

   O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele
                                                              Kant

Peço desculpas ao leitor pela falta de educação do título do artigo. É que foi obrigatória a alusão à famosa frase de James Carville, o marketeiro de Bill Clinton que o levou à vitória contra o pai de George Bush que buscava a reeleição com base em seus feitos bélicos. Carville entrou para a história por ser autor de uma frase estúpida.
Minha proposta é questionar sobre o que é mais importante para efeito do futuro de um país: o foco na economia ou na educação?
     Eu diria que não é o foco na economia, especialmente porque a ciência econômica contemporânea está fundamentada em determinadas instituições e teorias. Se colocarmos uma excelente "equipe econômica" no comando da economia de um país, o sucesso dessa equipe será medido pelos índices de inflação, de desemprego, pelo nível do superávit primário, pela gangorra da balança comercial, e pelo balanço de pagamentos, e pela sucessão de recessão ou aquecimento induzidos.      Tais objetivos fazem parte da "fisiologia" da economia, obedecem a uma filosofia que privilegia mais o mercado que a sociedade; mais a economia que a política, economia que peca pelo "economicismo" (Luiz Werneck Vianna). O sucesso da equipe econômica resulta naquela situação em que o general Garrastazu Médici diagnosticou: "A economia vai bem mas o povo vai mal". Isso ocorre porque está institucionalizada uma situação em que nosso país vem sendo governado sem partir de um projeto nacional-popular. Segundo Fernando Henrique Cardoso "projeto de país" é um tema ultrapassado, o Brasil segundo ele já está "projetado" e o que nos resta é fazer parte do jogo.
    Entrementes se o Brasil está desenhado por um "projeto de país" com certeza não não é um projeto nosso, de interesse do povo brasileiro. Se o povo brasileiro desse palpite quando nosso projeto de país estivesse sendo escrito, jamais assinaria um documento em que se prioriza juntar dinheiro para pagar juros do esquema de agiotagem da Dívida Pública e deixa o povo sem saneamento básico. Não assinaria igualmente um projeto que não assegurasse uma sólida educação de base que preparasse o povo para a ascensão em matéria de ciência e tecnologia. É por falta de um projeto nosso que o Brasil não consegue sequer sair da estaca zero que seria acabar com o analfabetismo. O projeto que está em vigor e do qual o povo não participa faz com que o Brasil se agigante sobre pés de barro. Parafraseando Zuenir Ventura uma nação partida.
    O foco na educação não é novidade. Os gregos antigos que inauguraram a filosofia ocidental colocavam o projeto paideia acima de tudo. Por paideia entenda-se a formação do homem grego. A princípio o projeto educacional grego visava o ideal  mens sana in corpore sano, depois evoluiu para formar o cidadão, segundo Platão: "um cidadão preparado para governar e ser governado tendo a justiça por fundamento". Aqui no Brasil nós teríamos um esboço de paideia se tivesse vingado o projeto dos CIEPS de Leonel Brizola, escola pública de qualidade de turno integral. A atual situação de escola pública sucateada para obrigar a classe média a pagar pelo ensino de seus filhos faz parte da realização de um projeto de Brasil que não é o do nosso povo.  O foco na educação implica em assumir uma unidade cognitiva e moral básica aos processos de construção nacional. O povo brasileiro nunca foi chamado a sentar na mesa para redigir um projeto que leve em conta os seus interesses porque nossa burguesia retardatária na industrialização do país preferiu um projeto escrito a quatro mãos com o latifúndio, daí que a reforma agrária nunca foi cogitada. 
   Um projeto de país pressupõe a existência de um país: território, povo e cultura. Mas o somatório dos fatores que compõem um país resulta numa nação amorfa. E continará uma nação amorfa, uma nação "maria vai com as outras" se for orientada por um projeto de país escrito por sua elite associada com interesses estrangeiros, caso do Brasil até hoje.
 É o projeto pedagógico é a paideia que confere ao país caráter e personalidade,"unidade cognitiva e moral". Os Estados Unidos promoveram a universalização do ensino fundamental no século XIX, em 1865. A China apenas mais de um século depois, nos anos 80 do século XX é que promoveu a universalização do acesso à escola e a erradicação do analfabetismo. A Coreia do Sul no final do século XX também erradicou o analfabetismo e colocou 82% dos seus jovens na universidade. O Brasil mesmo no terceiro milênio ainda está na estaca zero, amarga a convivência com 13% de analfabetos. A China hoje se orgulha de ser o primeiro lugar no ranking da PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos) e está empenhada em criar 100 universidades de nível internacional. A Coreia não faz por menos e trabalha com o objetivo de simplesmente ultrapassar o Japão. Pelo ranking da PISA o Brasil figura na 55ª posição em leitura, 58ª em matemática e 59ª em ciências. Isso num universo de apenas 65 países.
 Mas nem tudo está perdido. As manifestações de junho de 2013 revelaram que o povo brasileiro está maduro para participar da elaboração do projeto de país de sua autoria. Um projeto de país que privilegie a saúde e a educação e que demande no futuro menos médicos e policiais, e menos presídios e hospitais.
    
  

quinta-feira, 1 de maio de 2014

NÃO SOMOS MACACOS

"Não somos macacos"(Texto reproduzido do Boletim do Chico Alencar deputado do P-SOL)

          Só se falou nisso durante toda a semana. O brasileiro Daniel Alves, jogador do Barcelona, driblou de forma genial um insulto racista: comeu uma banana atirada contra ele por torcedores rivais.
Até aí, tudo muito bom. A polêmica veio quando Neymar divulgou um vídeo que lançava a campanha 'Somos Todos Macacos'. Diversas celebridades aderiram. Entre os muitos apoiadores, um fato: pouquíssimos negros.
Logo vazou a notícia de que a campanha havia sido produzida por uma agência de publicidade. Na sequência, a grife de Luciano Huck lançou uma camisa, que está à venda. Mas a coisa começou a se mostrar complicada mesmo quando setores da direita mais conservadora - que por diversas vezes flertam com o racismo! - também apoiaram a ação.
Fomos olhar o outro lado e vimos que os movimentos negros e pessoas que debatem o racismo se posicionaram de forma praticamente unânime contra a campanha. Reconhecem a boa vontade de Neymar, mas questionam a mensagem.
São muitos os argumentos: não podemos banalizar os atos racistas, não podemos vender a ilusão de que todos são tratados iguais em uma sociedade desigual, não podemos achar que o combate ao racismo se faz simplesmente por meio de hashtags irrefletidas. Não podemos esquecer que o racismo não é fato excepcional: negros e negras recebem, no dia a dia, mais do que bananas e ofensas. Há uma cor - e uma classe! - que são privadas de direitos e que são alvo privilegiado da violência. Exemplos, não faltam.
O Mandato Chico Alencar separou quatro textos que nos ajudam a refletir sobre o assunto. Boa leitura! [Textos: A bananização do racismo/Ana MªGonçalves;Contra o racismo nada de bananas.../NegroBelchior;Macacos e vadias/Luka.
COMENTÁRIO: Parece que o Incêndio do Reichstag não foi obra dos nazistas, mas Hitler espertíssimo e oportunista capitalizou o fato para concentrar poder. Esse fato mencionado acima envolveu um torcedor racista ridículo que recebeu uma resposta genial do Daniel Silva de um 'fair play' inenarrável. A resposta do jogador deveria ter sido suficiente para abafar o fato. O próprio Daniel contou que usou de humor diante dos ridículos racistinhas. Mas alguns espertalhões capitalistas aproveitaram o fato para ganhar dinheiro. O Neimar pode ter sido exortado a fazer o que fez, por amizade, ou ter feito o papel de um inocente útil. O fato é que descobriu-se que o mote "Somos todos macacos" foi criado por um marketeiro. "Coincidentemente" o Luciano Hulk lança uma camiseta para a campanha a 60 reais cada. A gente sabe o que capitalistas são capazes de fazer para ganhar dinheiro: criar um factóide que gere uma demanda é prova de uma fina inteligência empresarial.
DIGRESSÃO FINAL. Certa vez Leonel Brizola conseguiu na justiça um direito de resposta que obrigou a TV Globo ler um editorial escrito pelo engenheiro. Quem leu o "tijolaço" brizolista foi Cid Moreira. Brizola comentou que "O bugio branco" lera o texto melhor do que ele o faria. Cid Moreira poderia ter processado Brizola, mas não o fez. Se o fizesse seria por causa de baixa auto-estima.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

AÇÚCAR NO SITE DO DR DRÁUZIO VARELLA

AÇÚCAR NO SITE DO DR DRÁUZIO VARELLA:

O doutor Dráuzio Varella não consome açúcar há décadas. Provavelmente ele leu Sugar Blues de William Dufty. Eu cobrava dele um texto dele sobre açúcar. Agora descobri que no site dele (drauziovarella.com.br) tem um artigo sobre açúcar que reproduzo aqui e comento:
A autora do artigo é TAINAH MEDEIROS.

"Evitar doces é uma tarefa quase impossível para muitos. Além do sabor agradável, a guloseima serve muitas vezes como um calmante emocional, principalmente para mulheres em época de TPM (Tensão Pré-Menstrual). Ricos em açúcar e com alto valor glicêmico (energético), os quitutes ajudam na produção de serotonina, hormônio encarregado de regular o humor, mas o excesso pode trazer quilos a mais e insuficiência de insulina".

* Conheça os sintomas e tratamento para diabetes

"A nutricionista Fernanda Pisciolaro, membro da ABESO (Associação Brasileira de Estudos Sobre a Obesidade), explica que antes de o açúcar cair na corrente sanguínea, ele passa pelo pâncreas, glândula que secreta insulina para quebrar a glicose e controlar a quantidade que irá chegar à corrente sanguínea. ”Quando o alimento contém muito açúcar, a insulina encontra dificuldades para fazer seu trabalho e acaba deixando grande quantidade de glicose ir para o sangue”, explica Psiciolaro".

"A endocrinologista Lívia Lugarinho, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia, explica que quando se consome muito açúcar, o corpo reage negativamente. “No começo, o pâncreas tende a produzir mais insulina para normalizar as taxas, mas depois ele começa a não dar conta de tanta demanda. A produção do hormônio da insulina começa a entrar em falência parcial, produzindo pouco hormônio, ou total, quando deixa de ser produzido. Se ela não funciona, a glicose vai em excesso para corrente sanguínea, o que resulta em diabetes” explica Lugarinho. As consequências da diabetes são muitas, entre elas problemas neurológicos, cardiovasculares, nos olhos e nos rins".

"Há ainda o risco de obesidade. Os doces são carboidratos altamente calóricos e ricos em gordura, que têm como função dar disposição e energia. Quando a quantidade ingerida passa da conta e as atividades da pessoa não são suficientes para usar todas essas calorias, porém, o excesso é revertido em tecido adiposo para ser armazenado. Além de uma possível insatisfação com a aparência, o acúmulo de gordura corporal pode levar a doenças graves como hipertensão e outras cardiopatias".

* O lado bom do açúcar

“O açúcar é a forma mais rápida de fornecer glicose para o corpo”, diz Pisciolaro. Esse componente é essencial para o funcionamento do cérebro, da retina e dos rins. “Quando ficamos com deficiência de glicose (condição conhecida como hipoglicemia), sentimos dor de cabeça e os olhos começam ficar vertiginosos”, explica Lugarinho.
"A glicose ainda auxilia na proliferação das Bifidobactérias e dos Lactobacillus sp. Essas bactérias compõem a flora intestinal e contribuem para a eliminação de bactérias nocivas como a Escherichia coli e o Clostridium. Sem contar que o açúcar é uma importante fonte de cálcio, fósforo, ferro, cloro, potássio, sódio, magnésio e de vitaminas do complexo B".
"Mas isso não significa que doces precisam fazer parte do cardápio diário. O açúcar é encontrado também em frutas e em fontes salgadas, como massas, pães e bolachas. “O ideal é que a pessoa não consuma doces e faça uso do açúcar dos outros alimentos”, reforça Lugarinho.
Pisciolaro discorda. “Por questões sociais, é quase impossível cortar os doces da dieta. Temos que pensar nas situações do cotidiano. Você vai a uma festa, ver um monte de guloseima, como não ficar com vontade? A pessoa pode se dar o prazer de consumi-lo, não é errado, só tem que maneirar”.
"Não existe uma quantidade ideal de açúcar para ser consumida diariamente, mas a nutricionista dá uma ideia dos limites. “Você pode comer até duas colheres de doce de leite por dia, dois brigadeiros, uma latinha de refrigerante ou uma fatia pequena de pudim, por exemplo. Sem extrapolar”.

MEU COMENTÁRIO (Fernando): A nutricionista Fernanda Pisciolaro, da ABESO, diz que o açúcar "passa pelo pâncreas" que secreta insulina "para quebrar a glicose". Isso está me cheirando a samba do crioulo doido. O açúcar (sacarose refinada) não passa pelo pâncreas e quem "quebra" a sacarose são as sacaridades (enzimas pancreáticas) e não a insulina (hormônio endócrino), cujo papel é "empurrar" a glicose para dentro dos músculos. Ainda segundo essa nutricionista aloprada o açúcar (sacarose refinada) "É a forma mais rápida de fornecer glicose". Não pode ser porque o "açúcar" fornecido pelas frutas (glicose e frutose) são absorvidos DIRETAMENTE pelo organismo (a glicose, a frutose tem um mecanismo de absorção diferente, mais lento) enquanto que o maldito do açucareiro ainda terá que ser "quebrado" pelas enzimas pancreáticas (em glicose e frutose).
A nutricionista Lívia Lugarinho tem a cabeça no lugar e recomenda que "O ideal é que a pessoa não consuma doces". E complementa: "E faça uso do açúcar de outros alimentos". Querendo dizer com isso que o "açúcar" que interessa ao corpo não é o do açucareiro e sim os fornecidos pelos cereais (o amido) e pelas frutas (glicose e frutose). O açúcar do açucareiro que faz parte dos doces, sorvetes, iogurtes e bolos é uma porcaria causadora de cárie, diabetes e obesidade.

O lado bom do açúcar

“O açúcar é a forma mais rápida de fornecer glicose para o corpo”, diz Pisciolaro. Esse componente é essencial para o funcionamento do cérebro, da retina e dos rins. “Quando ficamos com deficiência de glicose (condição conhecida como hipoglicemia), sentimos dor de cabeça e os olhos começam ficar vertiginosos”, explica Lugarinho.

A glicose ainda auxilia na proliferação das Bifidobactérias e dos Lactobacillus sp. Essas bactérias compõem a flora intestinal e contribuem para a eliminação de bactérias nocivas como a Escherichia coli e o Clostridium. Sem contar que o açúcar é uma importante fonte de cálcio, fósforo, ferro, cloro, potássio, sódio, magnésio e de vitaminas do complexo B.

Mas isso não significa que doces precisam fazer parte do cardápio diário. O açúcar é encontrado também em frutas e em fontes salgadas, como massas, pães e bolachas. “O ideal é que a pessoa não consuma doces e faça uso do açúcar dos outros alimentos”, reforça Lugarinho.

Pisciolaro discorda. “Por questões sociais, é quase impossível cortar os doces da dieta. Temos que pensar nas situações do cotidiano. Você vai a uma festa, ver um monte de guloseima, como não ficar com vontade? A pessoa pode se dar o prazer de consumi-lo, não é errado, só tem que maneirar”.

Não existe uma quantidade ideal de açúcar para ser consumida diariamente, mas a nutricionista dá uma ideia dos limites. “Você pode comer até duas colheres de doce de leite por dia, dois brigadeiros, uma latinha de refrigerante ou uma fatia pequena de pudim, por exemplo. Sem extrapolar”.

MEU COMENTÁRIO: A nutricionista Fernanda Pisciolaro, da ABESO, diz que o açúcar "passa pelo pâncreas" que secreta insulina "para quebrar a glicose". Isso está me cheirando a samba do crioulo doido. O açúcar (sacarose refinada) não passa pelo pâncreas e quem "quebra" a sacarose são as sacaridades (enzimas pancreáticas) e não a insulina (hormônio endócrino), cujo papel é "empurrar" a glicose para dentro dos músculos. Ainda segundo essa nutricionista aloprada o açúcar (sacarose refinada) "É a forma mais rápida de fornecer glicose". Não pode ser porque o "açúcar" fornecido pelas frutas (glicose e frutose) são absorvidos DIRETAMENTE pelo organismo (a glicose, a frutose tem um mecanismo de absorção diferente, mais lento) enquanto que o maldito do açucareiro ainda terá que ser "quebrado" pelas enzimas pancreáticas (em glicose e frutose).
A nutricionista Lívia Lugarinho tem a cabeça no lugar e recomenda que "O ideal é que a pessoa não consuma doces". E complementa: "E faça uso do açúcar de outros alimentos". Querendo dizer com isso que o "açúcar" que interessa ao corpo não é o do açucareiro e sim os fornecidos pelos cereais (o amido) e pelas frutas (glicose e frutose). O açúcar do açucareiro que faz parte dos doces, sorvetes, iogurtes e bolos é uma porcaria causadora de cárie, diabetes e obesidade.